Ministério do Trabalho participa de evento da OIT no Chile

Ministério do Trabalho participa de evento da OIT no Chile

2 de outubro de 2017 0 comentários

Reunião Técnica Regional e Tripartite da OIT terá como tema a migração laboral na América Latina

 

Representantes do Ministério do Trabalho (MTb) estão no Chile, participando de Reunião Técnica Regional e Tripartite sobre Migração Laboral na América Latina. O evento é organizado pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) e segue até esta terça (3).

A reunião aborda a estratégia da OIT sobre Migração Laboral na América Latina, Caribe, e a governança migratória e os aspectos trabalhistas da migração na região. O objetivo é aperfeiçoar as boas práticas desenvolvidas nesta área, além de compartilhar experiências entre as instituições presentes no evento.

O debate e as considerações dos peritos e especialistas que participarão da reunião também devem servir de subsídios para o Pacto Mundial da Migração Segura a ser definido na Reunião Ordinária das Nações Unidas, em 2018, em particular a sessão temática, “Migração irregular e canais regulares, incluindo o trabalho decente, a mobilidade do trabalho, o reconhecimento de competências, qualificações e outras medidas relevantes.”

A migração laboral tornou-se uma preocupação global. O relatório “Estimativas globais da OIT sobre trabalhadores imigrantes” (2015) estimou que existem cerca de 232 milhões de imigrantes no mundo, dos quais 150 milhões são trabalhadores imigrantes – mais da metade do total.

Como no resto do mundo, nas Américas, o fenômeno migratório vem se expandindo em volume, dinamismo e complexidade nas últimas décadas e está intimamente ligado ao mundo do trabalho e busca de oportunidades de emprego, melhor renda e trabalho decente. A OIT estimou que cerca de 27% dos trabalhadores imigrantes do mundo estavam concentrados nas Américas em 2015, representando um total de 43,3 milhões de pessoas (aproximadamente 37 milhões na América do Norte e 4,3 milhões na América Latina e no Caribe).

Os imigrantes trabalhadores contribuem para o crescimento e o desenvolvimento dos países de origem e destino, embora muitos não tenham um trabalho decente. Pelo contrário, eles recebem salários baixos, sofrem em ambientes de trabalho perigosos, os rendimentos não remunerados e cobertura desigual de proteção social. Em alguns casos, esses trabalhadores são negados o direito à liberdade de associação e outros direitos trabalhistas, e alguns deles sofrem discriminação e xenofobia (OIT, 2016b).

“O aumento da mobilidade laboral, tanto em termos de números como de diversidade, faz da migração uma característica dos mercados de trabalho contemporâneos e do futuro do trabalho (uma das sete iniciativas do centenário da OIT) e coloca novos desafios para melhorar as políticas de migração e emprego”, como explica a chefe de gabinete da Secretaria de Relações do Trabalho, Marianna Poroniuk.

Para maximizar os benefícios da migração laboral e minimizar seus riscos e custos sociais, é necessária uma governança adequada e efetiva. A contribuição dos governos, das organizações de empregadores e de trabalhadores é fundamental para a formulação de políticas coerentes e eficazes, baseadas no diálogo social. O Ministério do Trabalho tem o papel de promover o trabalho digno e a igualdade para todos os trabalhadores, incluindo os trabalhadores imigrantes. A estrutura tripartite particular da organização; seu quadro normativo; A abordagem baseada nos direitos e o seu histórico de trabalho permitem assumir uma posição de liderança no campo do trabalho digno na migração laboral e contribuições substanciais para o Pacto Global na Migração Segura, Ordenada e Regular, bem como para a aplicação na Agenda de Desenvolvimento Sustentável 2030.

Nenhum comentário até o momento

Ir para uma conversa

Ainda não há comentários!

Você pode ser o primeiro a iniciar uma conversa.

Seus dados estarão seguros!O seu endereço de e-mail não será publicado. Também outros dados não serão compartilhados com terceiros.