Prefeitura anunciou instalação da empresa no município há pouco mais de 40 dias

A expectativa de geração de empregos para os moradores de Valinhos, a partir da mudança da Trio Alimentos para a cidade – anuncio feito pela Prefeitura Municipal no dia 25 de julho, tem se tornado um alerta à população: de acordo com ex-funcionários, a empresa de Sorocaba não realizou nenhum pagamento das dívidas rescisórias, mesmo após recorrerem a justiça.

Marcelo Borba, que ocupou o cargo de Gerente de Vendas na Trio, entre abril de 2013 a fevereiro de 2017, diz que foi demitido e em seguida, contrataram um PJ (Pessoa Jurídica) em seu lugar. Ele conta que no início estava “tudo certo”, participava de reuniões mensais e havia atuação em centro de distribuição em Porto Alegre/RS. “As indústrias eram United Mills e utilizava os CDs como razão social da Multimarcas (…) Nos dois últimos anos que trabalhei, a empresa começou a atrasar despesas de viagens (utilizávamos nosso dinheiro para ser reembolsado posteriormente e demorava no início 10 dias, passou para 40/60 dias), salários começaram a atrasar e também a serem parcelados durante o mês; aconteceu de eu sair de férias e receber os valores somente quando já tinha retornado ao trabalho, representantes tinham mais de três meses de comissões atrasadas sendo que muitos não receberam”, explica.

Outra ex-colaboradora, que permaneceu 15 anos na empresa de Sorocaba, afirma que a demissão ocorreu “sem justa causa e sem pagamento”. Apesar de ter recorrido à justiça os débitos não foram pagos, “nem com juiz se importam, a empresa não pagou mesmo após julgamento”, esclarece. Ela destaca ainda que os responsáveis pela Trio nunca entraram em contato com ela, “não fez contato algum e não pretendem fazer pagamento de funcionários demitidos, isso é informado quando demitem a pessoas, já avisam ‘não vamos te pagar’, informação passada pelo RH, não tem dinheiro”. Borba também apelou aos meios legais, já teve a primeira audiência e haverá mais uma, agendada para o próximo mês, “tive audiência em novembro/2017 em que foi estipulado o pagamento das verbas rescisórias e FGTS, mas até o momento não recebi, foi tentado bloqueio de conta e também sem sucesso; no início do ano a empresa entrou em RJ, e desde minha saída ninguém entrou em contato até hoje para falar da pendência que tem comigo”.

Mais um ex-funcionário, que prefere não se identificar, diz que foi demitido sem motivo e através do whatsapp. “Fui ‘promovido’ para outro estado, a empresa não arcou com os custos e quando fui desligado (sem motivo) fiquei abandonado e sem receber os salários atrasados (detalhe: minha família me acompanhou na mudança, meus filhos trocaram de escola)”. Igual aos demais colegas, reivindicou judicialmente, porém sem sucesso. “Hoje quero que a empresa sobreviva, pois ela precisa liquidar seu débito comigo e com muitos amigos; após ela pagar seus débitos e pagar por ter prejudicado dezenas de profissionais, aí eu vou torcer para fechar as portas e os proprietários sofrer o que nós sofremos; até comida na minha mesa ficou faltando pelos atrasos salariais, fiquei com nome sujo na praça e sofri ação de despejo”.

A indignação da maioria dos ex-colaboradores é tamanha, principalmente com relação à mudança para Valinhos, “vejo nas redes sociais uma posição como se nada tivesse acontecido, e vários ex-funcionários sem receber seus direitos, pergunto-me onde está a justiça que não enxerga isso, visto a quantidade de processos que tem contra Multimarcas e United Mills”, completa Borba.

Posição da Trio Alimentos

Em respostas às manifestações de ex-funcionários, a empresa reafirma que “fez diversos contatos com os colaboradores, com inclusão do sindicato da categoria, mantendo todos informados e respaldados”, e que a resolução está ocorrendo através de sua área jurídica. Quando questionados sobre a confiança que passariam aos valinhenses a partir do cenário citado, com a previsão de se instalar no município nos próximos meses, dizem que “a confiança se manifesta pela seriedade da marca que todos conhecem e confiam. O passado foi um acaso originado pela situação de crise financeira, notória em todo país, e atravessada por grandes empresas, inclusive”. Também defende que os ajustes contra a crise foram tomados, revertendo à situação, “a mudança para um prédio mais moderno e funcional é um deles”.

Já a Prefeitura Municipal de Valinhos, através da imprensa oficial, fomenta que a Trio Alimentos seguiu todos os ritos formais estabelecidos para a instalação de uma empresa na cidade. “A empresa também cumpriu todas as suas obrigações legais”, finaliza.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

CAPTCHA