Comissão da Gentileza que atua no Condomínio Terras do Caribe

Em abril de 2019 o projeto completa seis anos de atuação

Por Thaís Ferrari

Hoje, dia 13 de novembro, é comemorado o Dia Mundial da Gentileza, data que surgiu em Tóquio, no Japão, em 1996, durante uma conferência que reuniu grupos que propagavam a gentileza em suas nações. A data foi oficializada em 2000, e no Brasil a ideia foi difundida pelo Profeta Gentileza, José Datrino (1917 – 1996), criador da frase “Gentileza gera Gentileza”, conhecido por propagar mensagens positivas pelo Rio de Janeiro. Em Valinhos, inspirada pela história do Profeta Gentileza, a Publicitária Roberta Corsi, 47 anos, “consultora, mãe, boleira e principalmente feliz”, iniciou o Movimento Gentileza Sim em abril de 2013.

“Já era uma coisa que eu gostava muito e muita gente falava ‘as pessoas não são gentis, o mundo está perdido’ e eu pensava ‘poxa, eu conheço tanta gente gentil, não é possível’, então tive a ideia de criar esse movimento para unir as pessoas que acreditam no poder transformador da gentileza”, explica. Nesses cinco anos de trajetória muitas ações foram realizadas, como a distribuição de mais de dez mil maças – “Maças da Gentileza”, com apoio da Rede Oba, através do Raimundo, e da CBN – com programa ao vivo no evento, em Campinas. Também entregaram 1400 flores de EVA em praças de
Valinhos, com mensagens de gentileza, além de atos na data mundial com a ACESA Capuava e a Prefeitura Municipal. “Ano passado distribuímos dentro do nosso condomínio flores para todos os moradores, contando sobre o projeto que a gente tem aqui dentro”.

Atualmente, viabilizado pela Comissão da Gentileza (Roberta, Terezinha, Zilda, Valdete, Norma, Gisele e Sônia), em parceria com a Administração do Condomínio Terras do Caribe, a cada novo morador realizam uma visita no dia da mudança, quando não há nada para comer e o “fogão está desligado”. Levam bolo caseiro, flores, suco natural e todos os contatos de telefones, se colocando à disposição e dando boas vindas. “Faz quatro anos que temos esse projeto e já recebemos 92 famílias, sempre criamos uma amizade com elas”, relata. As mulheres da gentileza, como são conhecidas, chegam sem avisar, chamando a pessoa pelo nome e causando emoção.

Visita aos novos moradores

“As pessoas dizem que quando eles chegam estão preocupados com coisas, e quando chegamos estamos preocupados com pessoas. Quase todos se emocionam muito e recebemos vários presentes depois, de agradecimento”, comenta.

Contam ainda com a contribuição da floricultura do Jardim São Marcos, que oferece as flores toda vez que recebem um novo morador. “Hoje a gente vê a importância da ação na comunidade e dentro da comunidade, condomínio e bairro, a gente é bastante ativo”. Pela atuação notória no condomínio, o local foi considerado o “Condomínio da Gentileza” pela SECOV – Sindicato da Habitação – em 2017. “A importância desse projeto não é a grandiosidade, mas sim a ação verdadeira e real que realmente emociona e faz diferença na vida das pessoas. Estamos sempre abertos às pessoas que estejam interessadas em replicar o movimento”.

Outro projeto do Movimento Gentileza Sim é a Biblioteca da Gentileza – que existe há três anos – com apoio da professora Dalva Cano. É uma geladeira instalada na Farmácia Multi Drogas, também no Jardim São Marcos, em que os indivíduos podem doar livros e levar para casa um exemplar sem custo algum. Na fanpage do movimento (@movimentogentilezasim), há peças, imagens e posts disponíveis para que os interessados utilizem nas redes sociais. “Motiva as pessoas a terem suas próprias ações de gentileza com os materiais gratuitos na página”, completa Roberta.

Para a idealizadora do Movimento Gentileza Sim a correria e falta de tempo não é motivo para deixar de ser gentil. Ela destaca que é preciso estar aberto e conectado para enxergar as necessidades alheias, e a partir disso agir com gentileza. “Observar as pessoas que querem atravessar, idosos com dificuldade de andar na rua. Olhar para o próximo e enxergar suas necessidades”, conta. Além disso, diz que é essencial acreditar no poder transformador da gentileza, entender a importância desse valor e agregar primeiro na família. “Esse projeto pode ser replicado com facilidade, não custa praticamente nada, precisa de disponibilidade, mas não o tempo todo”, finaliza.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

CAPTCHA