Segundo dados do IBGE (2013), o Brasil possui a 4º maior população de animais domésticos do mundo sendo aproximadamente 22 milhões de gatos. Mais de 17,7 % das famílias brasileiras possuem ao menos um os casais estão preferindo ter cães ou gatos ao invés de filhos.

O aumento significativo de felinos presentes em nossa sociedade vem chamando a atenção de instituições de pesquisas, assim buscando a cada dia mais informações sobre doenças e sobre o comportamento dos animais. Os proprietários vêm se informando e conscientizando sobre as necessidades desses animais, obrigando os veterinários a procurar informações e cursos voltados para os felinos. Apesar do seu crescimento, a população de gatos no Brasil ainda é menor que a de cães, mas a preferência por gatos vem se tornado cada vez mais uma realidade, em alguns países a população felina já ultrapassa a população canina (NEVES et al. 2010).

A partir dos estudos de Montanari (2016), nas clínicas, as demandas de atendimentos de felinos estão diretamente ligadas a problemas do trato urinário, estes animais possuem o sistema urinário composto por Rins, Ureteres, Bexiga e Uretra, os felinos possuem rins uni bolares e cobertos por uma cápsula fibrosa.

A doença do trato urinário inferior felino (DTUIF), ou feline lower urinary tract disease (FLUTD), consiste em uma diversidade de distúrbios que possuem sinais clínicos semelhantes, como a hematúria, disúria, estrangúria, polaquiúria, periúria, e também pode ocorrer a obstrução total ou parcial da uretra (DOREM, 2007).

Reche et al. (1998), afirmou que os felinos que apresentam DTUI podem ser colocados em dois grupos. O primeiro é composto por pacientes em que o processo inflamatório das vias urinárias é acompanhado da presença de cristais e/ou cálculos (Urólitos). O segundo grupo são pacientes com infecções (bacterianas ou virais), traumas, neoplasias de bexiga e uretra ou alguns outros fatores não desconhecidos que podem acarretar está doença.

A urolitíase é uma alteração metabólica ocasionada na maioria das vezes pela precipitação de cristais minerais e pela mudança do pH urinário e possui um alto nível de recorrência. Os urólitos são na maioria das vezes formados por struvita (mineral de fosfato) ou oxalato de cálcio, porém outros minerais também podem se precipitar formando cálculos, tais como urato, fosfato de cálcio, cistina e sílica. A grande concentração destes “cristais” na bexiga do animal pode ocasionar no deslocamento dela para a uretra assim ocorrendo uma obstrução total ou parcial deste animal (ARIZA, 2012).

Nos estudos de Reche et al. (1998), a obstrução urinária é uma das doenças que mais demandam atendimento nas clínicas, elas na maioria das vezes são ocasionadas principalmente por cálculos ou tumores na região da uretra que impedem o animal de estar urinando.

O presente estudo teve como objetivo verificar a incidência das doenças que acometem o sistema urinário dos felinos, tais como, a cistite, a obstrução urinária e as urolitíases na clínica, além de analisar qual o sexo mais afetado por essa enfermidade.

MATERIAIS E MÉTODOS

O estudo foi realizado na clínica veterinária do Dr. Victor Bersan, chamada VetBersan, localizada na Avenida Joaquim Alves Corrêa Nº 4233- Nova Suiça, Valinhos-SP, 13271-430 na clínica os dados foram coletados através da análise dos prontuários de atendimentos que são preenchidos a cada consulta. O período de estudo dos casos foi de 2016 a 2019. Nesse levantamento analisa-se o total de gatos atendidos dentro desse período.

Nestes prontuários foram examinadas: a incidência de doenças do trato urinário nos felinos, quantos animais foram atendidos com este problema, qual era o sexo mais acometido, e posteriormente, quais as doenças do trato urinário de maior frequência na clínica.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

No presente trabalho, pode-se evidenciar que a incidência da doença afetou principalmente os machos, tendo como doença mais acometida, a cistite urinária, e que, pelo menos 17% de animais em uma clínica foram acometidos com algum tipo de DTUIF. Sugere-se que sejam feitos estudos mais aprofundados, para obter melhores resultados.

Camila da Silva Bueno

Beatriz Olivato Rezende

Larissa Aparecida

Paloma Nunes da Silva Costa

Thaís Marques Leandro       

 Clara Maeda                                                                   

 Amanda dos Anjos Brito

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

CAPTCHA