Japão enfrenta novo terremoto de magnitude 6, após sismo que já deixou 200 mortos

Novo abalo sísmico, desta vez com magnitude 6, atinge o Japão após o terremoto que resultou em mais de 200 mortos. A Agência Meteorológica do Japão relata tremores intensos nesta terça-feira na região central, sem alerta de tsunami.

O epicentro do sismo foi na costa do Mar do Japão, mesma área impactada por um terremoto devastador no dia de Ano Novo. O abalo anterior e suas réplicas causaram destruição generalizada, com mais de 200 vítimas fatais e mais de 100 desaparecidos, de acordo com relatório recente das autoridades regionais. O terremoto de magnitude 7,5 afetou a Península de Noto, na ilha de Honshu, durante as celebrações de Ano Novo, derrubando edifícios, provocando incêndios e danificando infraestruturas.

Oito dias após o desastre, equipes de resgate enfrentam condições desafiadoras para alcançar cerca de 3.500 pessoas isoladas em comunidades, enfrentando estradas bloqueadas e mau tempo. O último relatório da região de Ishikawa indica que o número de vítimas fatais aumentou de 180 para 202, enquanto os desaparecidos diminuíram de 120 para 102.

 Foto: Toshifumi KITAMURA / AFP

Chuvas intensas nos últimos dias resultaram em aproximadamente mil deslizamentos de terra, agravando as condições da rede rodoviária. Na segunda-feira, quase 30 mil pessoas permaneciam em abrigos governamentais, enfrentando escassez de alimentos, água e aquecimento. Cerca de 60 mil casas estão sem água e 15.600 sem eletricidade.

O primeiro-ministro Fumio Kishida instruiu seu gabinete a intensificar os esforços para resolver o isolamento das comunidades e continuar as operações de resgate. Evacuações para regiões fora da área afetada também foram ordenadas.

Em Suzu, província de Ishikawa, uma mulher nonagenária foi resgatada no sábado após sobreviver cinco dias sob os escombros de uma casa desabada. O Japão, embora enfrentando centenas de terremotos anualmente, mantém padrões de construção rígidos, mas áreas rurais, como a Península de Noto, possuem estruturas mais antigas e vulneráveis. O país, em 2011, enfrentou um terremoto seguido de tsunami que resultou em 18.500 mortes ou desaparecimentos e um desastre nuclear em Fukushima.

Leia anterior

Brasileiros deixam de sacar R$7,51 bilhões esquecidos

Leia a seguir

Pinturas, danças e shows agitam Festa do Figo 2024