Quinta, 26 Novembro 2020

Como ficam as viagens neste período de pandemia do covid-19?

Passageiros aguardam em aeroporto. Foto reprodução

O Jornal Terceira Visão consultou uma especialista de viagem Tatiane Bruschi, para esclarecer algumas dúvidas quanto sobre a temática em meio a pandemia do covid-19. A pauta foi solicitada por um leitor ao JTV, que buscava informações concretas sobre as questões que permeiam a área turística dentro e fora do Brasil.

Tati com está a situação das viagens canceladas em meio ao prolongamento da PANDEMIA?

Algumas pessoas pediram reembolso, que pode levar até 12 meses para ser pago, segundo a MP. Outras deixaram como crédito para uma próxima viagem, e esse crédito pode ser usado até 12 meses, as pessoas que já remarcaram para uma data futura, tem que aguardar mais próximo do embarque para ver como estará a situação, se poderá embarcar ou não e que medida tomar.

O setor de turismo também sofre em meio às questões de saúde em torno do Covid-19. Como você está enfrentando essa situação?

Estou sem vendas, porém resolvendo as remarcações e cancelamentos, e dando todo o suporte necessário para os clientes, passando segurança e confiança.

É uma situação bastante complicada e nova para todos, o setor de turismo tem sofrido bastante com isso, pois além de estar sem renda, estamos trabalhando o triplo com as remarcações, sem ganhar nada e sem apoio algum do governo, das operadoras e cias aéreas. Algumas insistem em não seguir as regras das MPs e código de defesa do consumidor, cabe a nós agentes brigarmos pelos direitos de nossos clientes, infelizmente sozinhos.

Alguns hotéis estão voltando a funcionar. Como está a questão da hotelaria?

Em relação aos hotéis alguns estão voltando sim, inclusive alguns aqui próximos de nossa cidade, em Atibaia, Mairiporã, Campos do Jordão, etc... estão retornando as atividades com alguns novos protocolos de hospedagem e gastronomia, como por exemplo: vendendo apenas 30% das acomodações, álcool em gel e máscara disponível, 'check in' e 'check out' agendados, triagem para medir a temperatura, higienização constante de tudo, os restaurantes servindo com hora marcada, enfim...seguindo todas as normas da OMS.

Em relação aos destinos, Gramado/RS e Foz do Iguaçu/PR por exemplo, já reabriram, fecharam, reabriram de novo e algumas atrações permanecem fechadas.

E como os aeroportos estão procedendo?

Com os protocolos da OMS, distanciamento nas filas, higienização constante, check in on line, uso obrigatório de máscara, triagem para medir temperatura.

Quais os destinos que estão podendo ser agendados?

As fronteiras estão se abrindo, mas os brasileiros estão barrados, então não acho responsável agendar nada por agora, a não ser que seja para final do ano ou 2021, ou alguma situação urgente. É viável se for agendar algum voo, hotel, verificar se o que você está comprando tem a opção de remarcação ou cancelamento sem multa, para ninguém sair no prejuízo.

Existe dificuldade para voos domésticos ou internacionais?

As malhas aéreas já aumentaram bastante, algumas cias aéreas já estão com mais ou menos 150 voos diários, alguns inclusive com preços muito bons. A dificuldade maior é no internacional mesmo, pois os brasileiros não estão sendo aceitos nem em uma pequena conexão em outro país.

Veja mais notícias sobre Entrevistas.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Quinta, 26 Novembro 2020

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://jtv.com.br/

No Internet Connection