Pais realizam campanha para tratamento ortopédico do filho

0
279

Michele organiza 4ª campanha para angariar verba para compra de órteses para caçula

Por Alef Gabriel

Heitor é uma criança de 5 anos, alegre e ativa como qualquer outra se não fosse pelo detalhe de ter nascido com paralisia cerebral e autismo. Em meio a dificuldades, os pais André e Michele Miloni organizam mais uma  vez, uma campanha de arrecadação em busca de melhor qualidade de vida para o filho que necessita do uso de órteses em seu dia-a-dia para seu tratamento contínuo na movimentação e articulação dos membros.

Infelizmente sabemos que no Brasil aparelhos específicos feitos sob medida para pessoas com deficiência têm um custo muito elevado, e também sabemos que a maioria dos brasileiros não pode arcar financeiramente com esses valores exorbitantes, embora haja certo auxilia do município, este muitas vezes falha com aqueles que mais precisam, comentam os pais. Esses fatos não desanimaram Michele, mãe de dois filhos, Heitor e Lourenzo de 9 anos,  determinada em conseguir um tratamento digno e de qualidade para seu caçula, é o que a motiva realizar campanhas como esta atualmente, a arrecadação é para efetuar a compra de novas órteses para Heitor.

Órteses são aparelhos ortopédicos feitos de polipropileno (plástico resistente), com tiras de velcro. Utilizada abaixo do joelho, por trás da panturrilha, tornozelo e pé, fixado ao segmento corporal com as tiras de velcro, que impedem o atrofiamento dos membros e auxiliam na movimentação e postura daqueles com paralisia cerebral, uma vez que crianças com paralisia cerebral espástica apresentam hipertonia muscular, ou seja, um estado de contração involuntário e constante nos músculos envolvidos, tornando-os mais rígidos, além de, distúrbios do movimento, coordenação, equilíbrio e força muscular.

Uma das manifestações mais comuns, na criança com paralisia cerebral é a deformidade em equino dos pés, ou seja, ficam na ponta dos pés quando são colocadas em pé ou, naquelas que tem capacidade de marcha (como o caso do Heitor), o fazem sempre na ponta dos pés.

Muitos auxiliaram Michele a procurar a assistência social da Prefeitura, para obterem as órteses de maneira gratuita através da licitação da municipalidade, e quando questionada a mãe conta além dos entraves com o município para obter os direitos do filho, como tratamentos, transporte, medicamentos, e outros fatores que são feitos em sua maioria através de liminares, ela conta que os aparelhos ortopédicos fornecidos pela licitação da Prefeitura não tem um desempenho satisfatório no tratamento de Heitor, pelo contrário, ela explica que estes materiais não são de qualidade e não foram recomendados pelos médicos do seu filho e que assim o tratamento e evolução de Heitor ficariam comprometidos, por isso prefere arrecadar a verba de modo alternativo para realizar a compra em um lugar com maior qualidade, o orçamento das órteses que giram em torno de 5 mil reais, foram feitos pela AndBem (Industria de calçados ortopédicos de Campinas).

Essa é a 4ª vez que André e Michele começam uma nova luta, já que as órteses devem ser feitas a cada 1 ano e meio aproximadamente porque o aparelho deve acompanhar o crescimento da criança, e pedem a ajuda e o apoio daqueles que lerem essa matéria, criaram uma conta poupança para o Heitor e as doações podem ser feitas pela Caixa Econômica Federal, Conta Poupança 38180-9, Agência 0363, OP: 013, CPF: 491.561.588-07, Títular: Heitor Miloni Cavalcanti. E Michele posta regularmente em seu Facebook o andamento da conta, os valores doados e também o orçamento, tudo com a maior transparência possível. Nós do Jornal Terceira Visão apoiamos esta causa e esperamos que nossos leitores, aqueles que puderem, também apoiem.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here